[Cloud] Modelos de Cloud

Fala Galera,

Continuando a nossa série sobre Cloud Computing (posts anteriores), vamos discutir um pouco sobre os três modelos de computação em nuvem existentes. Entender estes modelos te ajudará a planear qual utilizar em cada estágio do cliclo de vida da sua organização.

Rede Pública: O provedor do serviço é responsável por fornecer toda a infra-estrutura, que é compartilhada com outros usuários, e disponibiliza-la para acesso via internet. Este modelo é ideal para pequenas empresas que precisam direcionar seus recursos financeiros para a evolução do core do negócio e não em infra-estrutura de TI.

Rede Privada: Toda a infra-estrutura é compartilhada por uma única empresa ou grupo específico. Ideal para empresas de médio/grande porte que possuem alto volume de dados sigilosos sendo armazenados e trafegados; Geralmente é utilizado por coportações que sofrem regulamentações específicas. É o modelo mais caro dos três.

Rede Híbrida: Este modelo é o mais comumente utilizado pelo mundo corporativo, onde um híbrido entre máquinas on-premise e máquinas/serviços em nuvem é criado. Pode ser implementado para extender as capacidades computacionais do ambiente local ou para criar um site de DR (disaster recovery), por exemplo .

E aí? Qual a que mais se encaixa no seu cenário? Deixe nos comentários 🙂

[]’s

Piroto

Anúncios

[Cloud] Siglas, siglas em todo lugar

Fala Galera,

Para aqueles que são novatos no fantástico mundo de cloud computing, com certeza já se depararam com uma sopa de letrinhas gigantesca e que, no inicio, torna a aprendizagem um pouco massante. (PaaS, SaaS, IaaS, STaaS, MaaS, CaaS, BCaaS) wooow!

O intuito deste primeiro post é: Definir algumas terminologias básicas quando falamos de cloud computing.

Mas, antes de tudo, o que é o tal do “Cloud Computing” ?
Quando falamos em Cloud Computing (ou só “Cloud”), estamos nos referindo a possibilidade de retirar um software ou um componente arquitetural de uma solução (ou toda ela) de um ambiente on-premise, coloca-lo na internet e fazer o pagamento conforme o uso.
A vantagem disso? O custo de manter um ambiente on-premise é bem alto: Eletricidade, refrigeração, hardware, pessoas etc; Pense em uma pequena empresa, onde TI não é o core. Vale a pena para ele fazer todos estes investimentos?
Se  eu tivesse que definir em 3 palavras eu diria: Economia, Escalabilidade e Alta Disponibilidade (quatro palavras 😦   )

Você pode estar se perguntando:
-“Piroto, minha empresa faz esse tipo de “virtualização”. Cloud é só um nome bonitinho para algo que está no mundo de TI a muito tempo?”
Não exatamente. Virtualização é um dos componentes que fazem parte do Cloud Computing mas está bem longe de ser o todo.
O que está mais próximo à virtualização clássica que conhecemos é o IaaS (definição a seguir).

 

Alphabet Soup

Os primeiros acrônimos  que escutamos quando entramos no mundo de cloud são: Saas, PaaS e IaaS. Cada um deles tem suas vantagens e desvantagens, tudo depende da natureza e estratégia do seu negócio.

IaaS – Infrastructure as a Service
Permite a um usuário criar maquinas virtuais, baseadas em uma lista de pré-existentes imagens,  conforme sua necessidade; Neste caso toda a administração, instalação de softwares, atualizações, é executada pelo cliente final.

PaaS – Plataform as a Service
Não há acesso direto a uma máquina virtual, mas sim a uma plataforma.
Por exemplo: Azure SQL e Azure Web Sites. Um desenvolvedor acessaria uma URL de um serviço na nuvem e, a partir daí, conseguiria publicar conteúdo ou criar sua base de dados e tabelas; Não precisando se importar com atualizações de versão, instalação de softwares adicionais ou qualquer outro tipo de administração que um ambiente demandaria; Basta consumir o serviço. O resultado é que o  desenvolvedor pode focar no que ele realmente está ali para fazer: Desenvolver.

SaaS – Software as a Service
O SaaS em nosso dia-a-dia e muitas vezes nem notamos. Ele tem a característica de disponibilizar um serviço e, toda a estrutura por trás do serviço é gerida pelo seu fornecedor; Você não precisa instalar um programa na sua máquina local, você pode acessa-lo por um browser ou um thin client. Exemplo? Onedrive, Onenote, Xbox Live, Outlook.com
A imagem 1 exemplifica bem as fronteiras que cada categoria de serviço segue.

az

Imagem 1 (azure.microsoft.com)

Além destas três principais siglas posso citar, por exemplo:

  • STaaS: Storage as a Service
  • MaaS: Monitoring as a Service
  • SECaaS: Security as a Service
  • DRaaS: Disaster Recovery as a Service
  • e muitos outros

No momento não vamos focar nestes serviços. Com o tempo vamos ver cada um deles =)

Por hora é isso galerinha.

[]’s

Piroto

[Cloud] How to and Tips

Fala Galera,
Tudo bem com vocês?

Estou iniciando hoje uma série de posts sobre nosso querido SQL Azure. Comecei a me envolver com várias demandas de SQL Server em nuvem (paas) tanto em Azure e no Amazon RDS, contudo darei mais foco ao primeiro. A ideia da série de posts veio seguindo alguns pedidos e visando repetir o sucesso que os tutoriais de Integration Services fizeram. Não viu? Click aqui.

Espero que vocês gostem!

ah, feedbacks são bem vindos 🙂

Abraços.

 

Alex Souza

Banco de dados, Business Intelligence, Big Data, Governança de TI ... /* Um eterno aprendiz... */

Blog - Thiago Carlos de Alencar

Aprendendo SQL Server !

SQL Authority with Pinal Dave

SQL Server Performance Tuning Expert

Vitor Fava

SELECT (CrazyIdeas*2), (InsaneIdeas*100), MyExperience FROM MyBigHead WHERE InsaneLevel > 1000

Think Think SQL

DBCC DumpMemory 'TECH','ALL'

Gustavo Maia Aguiar

Artigos, dicas e algumas reflexões sobre o SQL Server

Kimberly L. Tripp

DBCC DumpMemory 'TECH','ALL'

Thiago Zavaschi R2

www.zavaschi.com

Blog do Luti

DBCC DumpMemory 'TECH','ALL'

Luan.Moreno a.k.a [SQL.Soul]

Lead Database Consultant at Pythian

Blog do Leka

let's make things better